sábado, 16 de julho de 2011

Instalação de Auto-falantes para vetorização de canto

Alguns criadores investem em equipamentos de qualidade para encarte de canto dos seus filhotes e acabam comprometendo o processo pelo desconhecimento de alguns detalhes na sua instalação.
Mais uma cabine é adquirida e basta emendar outro pedaço de fio para que funcione. Não é bem assim. Não podemos sair emendando fios e ligando novos auto-falantes sem um mínimo de preocupação com potência e impedância, e esperar um sinal sonoro de qualidade.
É necessário entender-mos alguns conceitos fundamentais para obtermos um resultado de melhor qualidade.
Podemos pensar em impedância como a resistência à passagem de uma corrente alternada por um circuito. Impedância e resistência não são exatamente a mesma coisa, pois a impedância varia com a freqüência. Mas, para efeito desse texto, essa diferenciação não é muito importante. A unidade de medida de ambas é o OHM .
A saída de um amplificador qualquer, foi projetada para encontrar determinada resistência no circuito com os auto-falantes. Se a impedância do auto-falante for menor, a potência liberada pelo amplificador será maior. O som perderá qualidade e o amplificador poderá ser danificado. Se a impedância do auto-falante for maior, o amplificador não expressará sua potência total e o sinal sonoro poderá ficar comprometido.
A maioria dos equipamentos auto-motivos trabalha com impedância de 4 ohms e a maioria dos equipamentos destinados ao som ambiente, com impedância de 8 ohms. Operar com 2, 4, 8 ou 16 ohms não tem relação com a qualidade maior ou menor do som. Mas a harmonia entre a impedância da saída do equipamento de som e do auto-falante conectado, é fundamental para o melhor resultado sonoro.
A linha de produtos para som auto-motivo é mais rica em produtos de boa qualidade. Equipamento de qualidade para som ambiente é difícil de ser encontrado e muito caro. Os chamado HI-FI já quase desapareceram do mercado, dando lugar a produtos com preços mais populares e qualidade limitada. Ficou apenas a referência à alta-fidelidade impressa nas etiquetas.
Quando a intenção é ensinar um pássaro a cantar, a partir de uma lição de canto gravada em CD/DVD ou outra mídia de armazenamento qualquer, devemos buscar a melhor qualidade de som possível. Na linha de produtos auto-motivos encontramos auto-falantes triaxiais, quadriaxiais ou pentaxiais que respondem com qualidade a todo o espectro de freqüências do canto dos pássaros. Em sua maioria possuem impedância de 4 ohms.

Uma observação importante: aquelas caixinhas amplificadas, para uso com computadores, fornecidas com alguns aparelhos destinados a vetorização de canto, apresentam qualidade de som do tipo ninguém merece.
Um pássaro que aprendeu o canto ouvindo o som daquelas caixinhas aproveitou a aquela chance em um milhão que qualquer um tem de acontecer qualquer coisa.

Já entendemos a questão do casamento das impedâncias. Agora é necessário entendermos as ligações em série e paralelo e o seu efeito sobre o cálculo da impedância.
Ligação em série:

Na ligação em série, a impedância dos auto-falantes é somada.
No exemplo a seguir, se tivermos os auto-falante A1 e A2, cada qual com impedância de 4 ohms, teremos uma impedância total de 8 ohms ligada à saída de áudio.

Ligação em paralelo

Na ligação em paralelo a impedância diminui pois é aumentada a permissividade elétrica. No caso da ligação de 2 auto-falantes em paralelo, a impedância é dividida por dois.
No exemplo a seguir, se tivermos os auto-falantes A1 e A2 com impedância de 8 ohms, teremos uma impedância de 4 ohms ligada à saída de som.


Circuito misto, exemplo 1


Os circuitos podem ficar mais complexos, combinando-se malhas em série e malhas em paralelo. É preciso ficar atento à impedância resultante.
No exemplo a seguir, se tivermos os auto-falantes A1, A2, A3 e A4 com 4 ohms teremos uma impedância total de 4 ohms ligada a saída de som. A1 e A2 estão ligados em serie e devem ter suas impedâncias somadas. Da mesma forma A3 e A4 também devem ter suas impedâncias somadas. Teremos, então, para o circuito A1/A2 uma impedância total de 8 ohms. No circuito A3/A4 também teremos 8 ohms. Como o circuito A1/A2 está ligado em paralelo com o circuito A3/A4, a impedância resultante, ligada à saída de som é de 4 ohms.


Circuito misto, exemplo 2
Se tivermos os auto-falantes A1, A2, A3, A4, A5, A6, A7 e A8 com impedância de 4 ohms, teremos uma impedância total de 8 ohms ligada à saída de som.
Basta calcular o circuito A1/A2/A3/A4 da mesma forma que no exemplo anterior. A impedância do circuito será de 4 ohms. O mesmo valor é encontrado no circuito A5/A6/A7/A8. Como o circuito A1/A2/A3/A4 está ligado em série com o circuito A5/A6/A7/A8, suas impedâncias resultantes devem ser somadas.



Outra questão que deve ser estudada antes da escolha dos equipamentos é a potência. A potência é expressa em Watts. A indústria, por uma questão marketing, enuncia a potência PMPO do equipamento. Essa potência seria a máxima suportada pelo equipamento, ainda que por apenas alguns milionésimos de segundo. Não existe, sequer, um padrão internacional para o cálculo dessa potência PMPO.
O que importa é a potência RMS. Essa sim possui um padrão internacional para a sua aferição. A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) estabelece regras para a sua medição.
É importante conhecer-mos a potência RMS de saída dos nossos amplificadores, para o correto dimensionamento dos auto-falantes a serem instalados. No caso do auto-falante, que é um equipamento passivo, a potência enunciada pelo fabricante significa que é a máxima suportada pelo equipamento. Em uma saída de som de 25 Watts RMS, poderemos instalar um auto-falante de 50 W ou um de 100 W sem qualquer problema para o equipamento. Apenas temos que ter a preocupação de não instalar um auto-falante com potência suportada menor do que a potência da saída do amplificador. Por margem de segurança, um auto-falante deve ter, no mínimo, o dobro da potência da saída de som na qual será ligado. Esse dimensionamento deverá evitar distorções nas freqüências mais altas.

Outra observação importante é a de que todas as saídas de som do amplificador devem estar conectadas a auto-falantes. Embora alguns amplificadores possuam dispositivos de proteção contra isso, é melhor não contar com a sorte.

Primeiro exemplo prático:
Temos cinco Cabines de Isolamento Acústico e um aparelho ST-PEEW, todos os produtos adquiridos da Grataner. Qual a melhor solução para colocarmos tudo funcionando, com a melhor qualidade de som?


É simples:
Como o ST-PEEW possui duas saídas de som, ligaremos 4 caixas a uma saída e uma a outra, aproveitando o primeiro exemplo de circuito misto.


Segundo exemplo prático:
Empregaremos o ST-PEEW para alimentar 8 cabines da Grataner (auto-falante original de 8 ohms)

Terceiro exemplo prático:
Empregaremos o ST-PEEW da Grataner, para alimentar 3 cabines de diferentes fabricantes.
Nesse caso podemos adotar diferentes alternativas.


Poderemos instalar um auto-falante de 8 ohms em uma das caixas e liga-lo a uma das saídas do aparelho. Instalar nas outras cabines, auto-falantes da linha automotiva, preferencialmente triaxiais de 4 polegadas, com impedância de 4 ohms e ligar os dois em um circuito em série e a outra saída do aparelho.

Uma outra solução seria a instalação de 4 auto-falantes de 4 ohms. Cada dois ligados em série e a uma saída do aparelho. O quarto auto-falante ficaria fora da cabine em uma pequena caixa de som, sonorizando o ambiente.
Esses são apenas alguns exemplos de arranjos adequados para ligações de auto-falantes em diversas cabines de isolamento acústico, respeitando a correta harmonia das suas impedâncias.
Lembramos que a qualidade das emendas e conexões é primordial para a qualidade do áudio. Devemos evitar, ao máximo, emendar pedaços de fios. Se possível, todos os contatos devem receber solda. Os cabos de áudio de 2,5 mm apresentam desempenho superior, principalmente para maiores distâncias.